quinta-feira, 5 de abril de 2012

Conversando sobre Arte Entrevistado Robinson Oliveira










Robinson Oliveira faz sua primeira individual Barroco Urbano na Galeria Anna Maria Niemeyer. O artista vive e trabalha no Rio de Janeiro.

Robinson, conte um pouco de sua vida pessoal.  
Nasci na cidade de Jaú, SP, em 1970 e vivi com meus pais até os 17 anos na cidade de Promissão, no centro-oeste paulista; depois entrei para as Forças Armadas para seguir carreira na Marinha do Brasil, ingressando na Escola de Aprendizes de Marinheiros de Santa Catarina, em 1988, onde me formei Marinheiro, vindo me estabelecer, no ano seguinte, na cidade do Rio de Janeiro.

Como foi sua formação artística?
Sou graduado em Arte Educação (Licenciatura) pela Universidade Salgado de Oliveira e freqüentei alguns cursos livres, como, por exemplo, o de gravura na Oficina do Museu do Ingá, em Niterói e o de pintura na Escola de Artes Visuais do Parque Lage.


Como você descreve sua obra e que assunto discute com ela?
Recrio imagens já publicadas em livros, jornais e revistas, reproduzindo-as toscamente sobre a superfície da tela, influenciado pelo fascínio despertado por personagens/celebridades que se destacam através das exposições midiáticas e por um profundo interesse na Pop Art Americana, em especial as personalidades executadas por Andy Warhol.
Procuro, com isso, fazer uma critica a sociedade contemporânea com seus excessos, introduzindo, com certa ironia, figurinos criados por mim, tendo como atravessamento o acúmulo de elementos como o kitsh, a padronagem, o psicodélico e o carnavalesco.

Que artistas influenciam seu pensamento?
Os artistas que influenciam o meu pensamento são: Andy Warhol pela nova abordagem da tradição do retrato; Robert Kushner pela disciplinar padronagem; Beatriz Milhazes pela pesquisa formal de elementos nacionais; e os fotógrafos Pierre e Gilles no tratamento do kitsh.


Você escreve sobre seu trabalho?
Faço pouco texto sobre o meu trabalho; escrevo quando necessário como, por exemplo, para a elaboração de algum projeto em alguma instituição cultural.


Qual foi a contribuição da Escola de Artes Visuais do Parque Lage em sua formação?
A EAV do Parque Lage é uma importante instituição de ensino com inovações pedagógicas e me ajuda no aprimoramento estético e conceitual do meu trabalho. Freqüentei diversos cursos livres nesse estabelecimento e faço, atualmente, Pintura II com o professor João Magalhães.

Você fará uma exposição na Galeria Anna Maria Niemeyer, quais são suas expectativas e o que significa para sua carreira?
O convite da Sra. Anna Maria Niemeyer para trabalhar em sua Galeria significa um estimulo muito grande para prosseguir na minha carreira artística. Inauguro minha primeira exposição individual na Galeria Anna Maria Niemeyer e espero agradar porque vou apresentar um trabalho honesto.


O que é ser um pintor no século XXI?
Ser um pintor deste século é usufruir de grande liberdade estética e conceitual, fruto do esforço de muitos artistas do século passado.


O que você pensa sobre os Salões de Arte? Alguma sugestão para aprimorá-los?
Os salões são até hoje um importante meio de exibição dos trabalhos de jovens artistas. É uma forma democrática porque permite que curadores, críticos e artistas tenham contato com portfólios de inúmeros participantes. Receber prêmio ou participar de Salão ainda é um bom caminho para aqueles que querem entrar no circuito das artes plásticas. Por mais que sejam questionáveis alguns formatos, existem Salões que são muito eficientes.


É possível viver de arte no Brasil?
Hoje é mais fácil viver de arte no Brasil do que em duas décadas atrás, haja vista o crescente numero de iniciativas financeiras como as feiras de São Paulo e do Rio de Janeiro, o comércio de arte na internet e outras coisas mais.


Quais são seus planos para o futuro?
Os meus planos para o futuro estão voltados para a realização de uma exposição individual em alguma instituição cultural fora do Rio de Janeiro.








Título: “Sr Bispo Com Manto de Plumas”
Ano: 2009

Técnica: Acrílica sobre tela

Dimensões: 2,10m – 1,50m




Título: “Amy Winehouse”

Ano: 2009

Técnica: Acrílica sobre tela

Dimensões: 2,08m – 1,48m



Título: “Elke Maravilha”
Ano: 2010
Técnica: Acrílica sobre tela
Dimensões: 2,06m – 1,47m






Título: “O Profeta Gentileza”

Ano: 2010

Técnica: Acrílica sobre tela

Dimensões: 2,05m – 1,43m






3 comentários:

Marcos disse...

Suas obras são um brinde aos olhos com seu visual contemporâneo.

Fernanda Rivas disse...

Admiro suas obras, até porque já acompanhei o processo criativo de muitas delas.

Leise Paim disse...

Por sugestão de Jabim Nunes visitei este blog. Gostei muito dos seus trabalhos e da sua proposta. Parabéns e sucesso. Faço votos de que logo você consiga atingir sua próxima meta. Abraços. Leíse Paim

Maurizio Cattelan

Maurizio Cattelan
Now